Falando um pouquinho sobre Yoga
 

 

O Yoga é como um velho sábio que, vindo de terras distantes, muda-se para nosso bairro. É ao mesmo tempo esquisito em seus trajes e admirável em seus gestos: atrai-nos com sua serenidade de quem já sabe as respostas, mas ao mesmo tempo não é de falar muito; e quando fala, às vezes fala em outra língua.

Foi gerado, criado, educado e mantido por um outro mundo, que sabemos que era muito diferente do nosso, mas não sabemos direito como. Apesar disso tudo, o fato é que todos os que têm o prazer de conhecer este simpático velhinho saem por aí falando muito bem dele; parece que ele tem o poder de melhorar a vida das pessoas  que convivem com ele. Por isso ficamos curiosos em saber mais sobre o Yoga.

 

Definir Yoga como um “estado da mente” é correto, mas pouco esclarecedor. Melhora um pouco se o considerarmos como “um estado especial que a mente humana pode atingir”, um estado de paz, de silêncio e de quietude. Em resumo: Yoga é meditação.

 

Yoga é também um sistema de filosofia da Índia, que reconheceu que sem boa saúde física e mental não será possível a aquisição de estados profundos de concentração; que mente, corpo e espírito interagem. Portanto, uma filosofia prática.

 

É um processo que leva o praticante a um estado de silêncio, deixando a mente livre de suas distrações diárias. Na verdade, nós passamos o tempo todo nos preocupando  com compromissos, responsabilidades, problemas e aparências, tentando ter uma  vida supostamente segura ou mais sossegada. Isto pode nos distanciar dos reais objetivos da vida. Chegamos a nos esquecer do motivo de estarmos aqui, ou às vezes nem pensamos mais de onde viemos e para onde vamos. Os indianos costumam utilizar como exemplo disso uma caixa com água, que tenha uma lâmpada acesa logo acima dela. Quando a água está em movimento, as ondulações dificultam qualquer visualização clara do reflexo luminoso. Nesta analogia, a água agitada é a nossa mente, que não nos permitirá ver com clareza o reflexo da Luz, até que seja aquietada.

 

Yoga não é ginástica lenta, nem mesmo medicina, muito embora possa colaborar em processos terapêuticos. É preciso entender que Yoga não é para aliviar dores nas costas, corrigir escolioses, melhorar a performance de atletas, preparar gestantes para o parto, nem mesmo melhorar a concentração de crianças hiperativas, mas que estes benefícios poderão acontecer, especialmente com relação àqueles problemas classificados como distúrbios psicossomáticos.

 

O sucesso no Yoga é conseguido com “prática e desapego”. Prática é a tentativa constante de realizar aquilo que é importante para nossa saúde física e mental. Desapego não é privação, como alguns podem pensar, e sim reconhecimento de que não somos donos de nada, e de que a posse é apenas uma permissão temporária de usufruir da companhia de algo ou alguém. E como tudo é passageiro, devemos aproveitar.

 

A estabilidade emocional e a saúde mental andam lado a lado. Mente são num corpo sadio, talvez se aplique muito mais ao yoga do que a qualquer tipo de exercício. O yoga não necessita de equipamento, de muito espaço, não depende de nenhuma outra pessoa nem de preparação sofisticada. Apenas requer coragem e convicção para continuar praticando.

 

Através do yoga, qualquer pessoa, homem, mulher ou criança, velho ou jovem, doente ou são, pode se aplicar à tarefa e à experiência da paz sublime  dos antigos yoguis, sem precisar se retirar para uma caverna ou floresta.  O yoga tem algo a oferecer a todos e, por menos que se consiga fazer, desde que se pratique  com sinceridade e aplicação, sempre se consegue algum resultado.