O caminho da sua prática

 

Como podemos usar os asanas,(posturas) essa ferramenta poderosa, no intuito do crescimento pessoal?

Como não perder o ponto central do trabalho, que é penetrar o ser?

A prática de asana é essencial no trabalho de purificação e realização pessoal  no contexto do Hatha Yoga. Ela ajuda a atingir um elevado potencial, promovendo estabilidade estrutural, imunidade fisiológica e saúde emocional. O ponto de reflexão é não transformar a prática de postura em um fim em si mesmo.

O asana como ferramenta para manter o corpo solto, alongado, fluindo, para preparar o praticante no caminho do Yoga.

Praticar posturas é como escovar os dentes: um pouco todos os dias. Devemos tomar cuidado de não praticar em excesso, deixar uma sobra, um gosto de quero mais, para o dia seguinte.  Dessa forma o fogo da prática estará sempre aceso.

A respiração deve ser calma e suave durante a prática de asana. Se você perde essa qualidade, está excedendo.  A respiração tranqüila é um termômetro para seu Yoga. Uma prática que não respeite esse princípio dificilmente produzirá efeitos terapêuticos.

Escuta, tempo, paciência, são qualidades que devem estar presentes. O corpo deve estar sendo cuidado como templo sagrado. O Yoga faz sentir o Agora. Pode ser que o agora não seja uma sensação boa, de prazer.  Mas como você escuta, pode criar sintonia, contato. O processo cria centro, suavidade, clareza, conforto no próprio desconforto.

Uma visão funcional deve levar em conta os efeitos dos movimentos e as possibilidades de adaptação dos movimentos em relação às necessidade estruturais, psicológicas e capacidades de cada individuo.

O corpo é um reflexo dos padrões de comportamento. Trabalhá-lo na perspectiva do Yoga requer uma intenção. É essa intenção que vai transformar a atividade, constantemente. Nesse sentido, questionar o objetivo de sua prática é importante.  Serve ela para reforçar velhos padrões e hábitos ou para impulsioná-lo na direção do caminho orientado por ditames interiores?

O ato de inspirar corresponde a uma abertura/elevação da caixa torácica, enquanto que a expiração corresponde a um relaxamento e retorno da caixa torácica à posição neutra. A constante percepção desse movimento corporal, resposta natural do ato de respirar, deve ser o principal foco de atenção durante a prática de asana. O segredo é conectar a respiração consciente ao movimento da coluna vertebral, evitando a ocorrência de movimentos mecânicos.

Nesta linhagem, é imprescindível que o praticante perceba o asana dentro do fluxo da respiração e da consciência que se reflete na coluna vertebral/tronco.

Durante a prática de asana, você tem tempo para perceber o seu momento,  tornar consciente seu estado, seu dia.  Se você perceber distúrbio,  a respiração e os asanas serão condizentes com isso.  Em um dia em que você está bem, poderá desenvolver sua respiração em um nível mais avançado, as posturas também. Isso não significa que você pode praticar de qualquer jeito. Existe uma metodologia, dentro dela, adaptação. Precisamos ter flexibilidade com o nosso Yoga. A imposição de uma fórmula externa, rígida, pode criar seqüela física, emocional, psicológica. Respeitar o processo individual, as raízes e condições de cada um, saber perceber o momento de mudar, saber mudar e aceitar a mudança.

O professor deve saber escutar e respeitar a individualidade de cada aluno. Certo alinhamento vai funcionar para a maioria das pessoas, mas não para todas. Questões biomecânicas podem impossibilitar que a pessoa realize aquele alinhamento. Saber adaptar é a grande questão, mas na maioria das vezes a adaptação é vista como um erro.  Busque a prática que seja adequada para você, um professor que seja adequado para você. O yoga deve ser adequado para você!

O  yoga é portátil, segue sempre contigo. Ele transforma você, a própria prática. Você começa a ter foco. Bem devagar, novos hábitos positivos vão sendo criados. O ser humano passa por um processo de transformação, mudança na estrutura física, na respiração, na mente, na personalidade. O Yoga é a ferramenta que cria essas conexões. Ele da uma experiência, essa experiência influencia você. Cria-se uma relação. Uma conexão consciente.

No Yoga, a performance é a própria vida e não a habilidade de realizar posturas.

FRASES:

“O Yoga está funcionando quando suas relações pessoais estão melhorando.”

“No yoga, o desejo de aprender tem de ser maior do que o medo de errar”